se vai ao longe? ou nunca se chega? Em terras do Índico, vamos abrandar...
10
Out 11
publicado por devagar, às 14:45link do post | comentar |

No dicionário a palavra moçambicana banja quer dizer reunião ou assembleia. Entrou no dia-a-dia e significa uma reunião, com alguma formalidade, em que o objectivo é divulgar informações, chamar a atenção, repreender, ou mesmo fazer a cabeça de alguém - caso dos comícios da Frelimo.

Há banja quando se passa alguma coisa. Marido e mulher estão a conversar porque as coisas não andam bem - é banja; pais estão chateados com os fracos resultados académicos dos filhos - e vai haver banja; patrão está descontente com empregados - banja no final do expediente.

É um conceito maior do que as muitas reuniões que nele cabem por se relacionar com um life-style antigo com várias finalidades em que as pessoas se sentam e ouvem alguém que fala. Através das banjas as comunidades das terras longínquas eram informadas das novidades, desde as leis aos impostos, guerras, desgraças e abundâncias... quem falava utilizava muitas vezes um tradutor, porque muitos eram (e são) os dialectos. Quando o Presidente da República se desloca às regiões mais afastadas, usa o português e ao seu lado tem um tradutor, que tudo repete no dialecto da terra. Fala, gesticula e faz mímicas. Já vi Gebuza fazê-lo em reportagem da televisão, e pensei que a imagem tem um impacto imediato.

Coisas que passam ao lado do visitante das férias nas maravilhosas praias.

E isto relacionado com dois episódios.

1º Por nos terem roubado do jipe, pela enésima vez, o macaco. Como se pensou que teria sido na fábrica, houve banja ao fim do dia. Resultados nulos, mas uma descarga de stress antes do regresso a casa.

2º Por um amigo, a propósito, nos contar que também fizera banja aos empregados, com criticas e soluções de prémios e objectivos de produtividade - coisas muito à frente e modernas. No dia seguinte perguntou a um dos homens de confiança qual fora a reacção dos empregados à banja. Foi-lhe respondido que nula. Indagados alguns empregados sobre o que pensavam da banja, a resposta foi sempre a mesma: ele só falou.

A minha sogra, nascida e criada na Beira, conta com graça, como viu tradutores na época colonial ante-bellum que diziam uma só frase para traduzir vinte minutos de oratória da administração branca e lusa.

E de banja ficamos entendidos: quando é só conversa nem vale a pena traduzir, idem aspas quando não se quer tomar conhecimento.

Formas de estar devagar.

 

 

tags:

Networkedblogs
mais sobre mim
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
URL
http://devagar.blogs.sapo.pt
Follow luisa385 on Twitter
clustermaps
Live Traffic Feed
blogs SAPO